Massao Ohno, editor e artista gráfico.

Massao Ohno e Hilda Hilst (foto no blog de Claudio Willer)

Projeto Memória oral

Nota e entrevista com a diretora do  documentário Massao Ohno - Poesia presente, Paola Prestes

O último editor romântico
"Editar poetas não é tarefa fácil, porque a maioria usa uma linguagem que rompe com o leitor comum ao mesmo tempo em que sonha com o grande público. Mas Massao nunca desistiu desta fauna, porque como editor era um deles. O poeta dos editores. Ou, na definição de Carlos Felipe Moisés, outro autor da casa, o último dos editores românticos. Ou ainda, o editor boêmio, em eterno debate com seus editados. Uma figura que pertence a uma época de crença na arte requintada como principal arma contra os obscurantismos. (A estética como ética.)" (Miguel Sanches Neto/Jornal Rascunho/Edição 239 / Março 2020)

© Mário Santiago - todos os direitos reservados